A empresa de tecnologia Mira, com sede na Inglaterra e filiais em países da Europa, Ásia e América Latina, quer integrar a Itaipu e o Projeto Veículo Elétrico (VE) ao esforço para desenvolver um carro elétrico global, compacto, que possa ser produzido e comercializado em diferentes pontos do planeta. A proposta foi apresentada esta semana, em Foz do Iguaçu, pelo CEO da companhia inglesa, Georges Gillespie, durante a reunião do Comitê Técnico do Projeto VE.

Participaram da reunião o diretor-geral paraguaio de Itaipu, Franklin Boccia Romañach, a diretora financeira executiva, Margaret Groff, que também é a coordenadora brasileira do Comitê Gestor do Projeto VE, e representantes das empresas parcerias do projeto – entre elas, Ande, Eletrobras, Fiat, Copel, Cemig, CPFL, WEG, Chesf, Lactec, Light, Correios, Cepel, FPTI, Mascarello, Agrale, Iveco, Moura, Petrobras, Euroar, Finep, Furnas, FIAMM e Bom Sinal.

O diretor do escritório da Mira no Brasil, Armando Canales, explicou que a ideia é transformar o Brasil em um centro de referência para o desenvolvimento de veículos elétricos ou híbridos e articular estratégias para que possa entrar no mercado global. “Países como a China e a Coreia do Sul já têm essas políticas industriais e a nossa proposta é que, trabalhando junto, o Brasil também possa entrar nesse mercado”, explicou.

Canales acrescentou que as grandes montadoras dominam o mercado de veículos convencionais, com motor a combustão, mas as novas tecnologias abriram oportunidades para os países emergentes. “E não é só [produzir] veículo, há toda uma cadeia de componentes. O Brasil poderia, por exemplo, vender motor elétrico, talvez para a Coreia, os Estados Unidos. Mas, para isso, precisa desenvolver esse know-how, senão pode perder o “trem””, reforçou.

Ainda segundo ele, o projeto do veículo elétrico global prevê um cronograma de 44 meses para a apresentação do novo produto, prazo que passaria a contar a partir da formalização das parcerias com empresas e instituições de pesquisa e o aval dos governos. “Por enquanto, o que estamos apresentando é o conceito”, ponderou.

O coordenador brasileiro do Projeto VE, engenheiro Celso Novais, disse que o fato de a Mira ser uma empresa de alta tecnologia, sem fins lucrativos, criada pelo governo britânico há mais de meio século, a torna estratégica para o Projeto VE. “A Mira poderá, por exemplo, abrir o seu centro de pesquisa, um dos mais avançados do mundo, para treinamento de profissionais do Brasil e do Paraguai”.

Novais salientou que países que não têm tradição na fabricação de automóveis, e sem condições de competir no mercado convencional, têm agora a oportunidade de emergir como potências no desenvolvimento de veículos elétricos e híbridos.

“O Brasil, pela sua capacidade industrial, pelas suas dimensões, pela capacidade de produzir insumos, tem a oportunidade de fazer parte do grupo de países que vão fornecer tecnologia”, avaliou. Ao contrário, alertou, se o País decidir não participar desse processo, continuará a ser um mero importador.

O CEO da Mira, Georges Gillespie, disse que o fato de Itaipu trabalhar já há vários anos com o desenvolvimento de veículos elétricos, de forma independente, torna a empresa parceira natural do projeto. “Como Itaipu, nós [a Mira] também somos desenvolvedores de tecnologia”, reforçou o executivo, que disse ter ficado surpreendido com a visita à maior geradora de energia limpa e sustentável do Planeta.

“Itaipu é muito mais que produção de eletricidade”, disse, citando projetos que conheceu nas áreas social e ambiental, além das pesquisas em tecnologia. “Para mim, foi uma grande surpresa”, afirmou.
 
Empresa desenvolve primeira escova de dente biodegradável do país
Unir a sustentabilidade com eficiência era a vontade do CEO da Dr.Veit Produtos Oral Care, Avelino Veit, quando resolveu criar uma escova de dentes biodegradável, mas que realmente fortalecesse os dentes, sem prejudicar o meio-ambiente.
 
Marks & Spencer vai usar a energia a partir de resíduos de alimentos
M & S assinou um acordo com uma empresa de gestão de resíduos para converter o seu desperdício de alimentos em eletricidade.
 
Volkswagen implanta projeto de sustentabilidade auxiliada por software e reduz emissões
A montadora implantou o software de gerenciamento de sustentabilidade SoFi e de análise do ciclo de vida no processo industrial GaBi, ambos da fabricante alemã PE International.
 
Um aplicativo para dizer se há ingredientes geneticamente modificados em sua comida
Não há leis que dizem que as empresas têm de mostrar se estão usando ingredientes geneticamente modificados.
 
Hope lança linha de lingerie sustentável
Com Juliana Paes como garota-propaganda, a Hope lançou sua primeira linha de lingerie dentro dos padrões ecologicamente corretos.
 
Coca-cola e a Investe São Paulo anunciam a construção da maior fábrica mundial de produção de biomeg
O principal ingrediente das embalagens PlantBottle – primeira garrafa PET reciclável feita parcialmente de origem vegetal.
 
Sustentabilidade Empresarial, em números
Quem está acima, Quem esta abaixo, Quem se importa?
 
Petrobras integra Índice Dow Jones de Sustentabilidade pelo sétimo ano seguido
A estatal brasileira recebeu, pela sexta vez, a nota máxima no critério "transparência"
 
Itaúsa e o Itaú Unibanco compõem novamente o Dow Jones Sustainability World Index 2012/2013 (DJSI)
A nova carteira é composta por 340 empresas de 30 países das Américas, Europa, Ásia, África e Oceania, das quais apenas 9 empresas brasileiras, incluindo a Redecard S.A. e a Duratex S.A.
 
Water Discus Hotels
Deep Ocean Technology anuncia planos para construir cadeia mundial de "Water Discus Hotels"
 
Aprovada redução de carga tributária para produtos feitos com material reciclado
Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou proposta de emenda à Constituição (PEC) que elimina impostos de produtos feitos com material reciclado ou reaproveitado
 
Bayer expõe programa para construções sustentáveis durante Greenbuilding Brasil
A Bayer lidera uma “cadeia verde”, composta por representantes de todas as etapas do processo de construção
 
Empresas brasileiras reduzem nível de emissão de gases
Divulgado no relatório do Programa Brasileiro do Protocolo PGH, divulgado pelo Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces).
 
Aditivo ao Protocolo Verde dará mais efetividade aos princípios de sustentabilidade
Protocolo Verde aos termos dos Princípios para a Sustentabilidade em Seguros (PSI, sigla em inglês), será criada uma comissão especial para propor ações e acompanhar sua consecução.
 
BRIQUETE É USADO COMO FONTE DE ENERGIA SUSTENTÁVEL
O material é feito a partir de biomassas como a casca de arroz, bagaço e sementes de uva, bagaço de cana, serragem de pinus e de eucalipto, casca de babaçu e de café, resíduos de couro e de casca de amendoim.
       
A ideia é transformar o Brasil em um centro de referência para o desenvolvimento de veículos elétricos ou híbridos
 
Por: Jornal do Oeste 2
Fonte:Abla
Data: 05/11/2012
 
Empresa inglesa quer parceria com Itaipu para desenvolver veículo elétrico global